favor clicar aqui porque ainda não foi dessa vez que aprendi a fazer link na imagem.
semana passada, por razões que não consegui elucidar, cerca de 75% da população que vagava pela rodoviária esperando os ônibus atrasados estava bem bêbada. como eu sou essa pessoa cagada, É CLARO que o velho mais bêbado de todos obrigatoriamente precisava comprar o lugar ao lado do meu. "não sente ao meu lado" é coisa do passado, a moda agora é sentar ao meu lado com bafo de cachaça, reclamar, bufar, desmaiar, roncar e me dar tapas e cotoveladas durante sete horas de viagem. às 5 da manhã ligo pra casa para contar meu infortúnio e minha mãe ainda me zoa com um "tá vendo, quem manda ser pão dura. quis economizar os r$50 do ônibus leito e tá aí passando perrengue". e eu só conseguia pensar que se a criatura conseguia me incomodar tanto num ônibus comum, no ônibus leito ele ia tentar dormir de conchinha comigo, no mínimo. não tenho o desprendimento necessário para viajar deitada ao lado de gente que nunca vi na vida, cara. e olha, sô pão dura mermo, se é pra não-dormir prefiro ir no ônibus normal e investir os dinheiros sobressalentes em drogas pesadas tipo pastel e sorvete e chegar ao meu destino toda empenada porque o que é uma bunda dormente nessa altura dos acontecimentos, não é mesmo?

enfim, isso tudo foi apenas para dizer que semana passada nessas alturas da vida eu não tinha uma mala pronta, essa semana não tenho mala pronta nem passagem e/ou hora para embarcar.

mas vai dar tudo certo, né? cristo de borja proverá.
hoje menti para minha orientadora dizendo que precisava ir embora cedo para participar do conselho de classe dos aluninhos, e menti para as pessoas do conselho de classe dizendo que tinha uma reunião com minha orientadora, e assim sucessivamente até que consegui me desvencilhar de todo mundo e vim para casa ficar bem quietinha, o que era minha única ambição nessa segunda-feira uó.

eu podia ter usado a desculpa multifuncional do meu primo drogado de minas, mas sei lá, nessa altura dos acontecimentos ele podia se materializar só pra dizer que não precisa da ajuda de uma pessoa babaca como eu.

agora percebi que inventei tanta história que não poderei aparecer amanhã em nenhum dos lugares acima listados, portanto acho que irei assistir aula de anatomia. porque passar uma tarde inteira com cadáveres é sem dúvida a atividade que mais se enquadra em meu estado mental no momento.

chega a minha formatura mas não chega a quarta-feira, é impressionante.

acho que o pano de chão do banheiro possui maior bem estar psicológico do que eu nesse momento.
e olha que  o cachorro acabou de dar uma mijada nele, tá.
sexta-feira fui à exposição do tarkovsky e saí de lá pensando se não seria o caso da gente fechar todos os tumblrs e flickrs e instagrams do universo porque né, o que ele fazia com uma polaroid a gente não consegue imitar nem com 15 filtros do pixlr-o-matic.


na saída da exposição passa esse documentário intercalando depoimentos com trechos do diário e dos filmes dele, e em um momento larissa diz que só teve noção do quanto andrei a amava ao ler seus diários, depois da sua morte. e que se ela tivesse sabido antes, a vida dela teria sido tão mais fácil. e eu precisei levantar e ir ali tomar um ar porque isso define tanto a mim e às coisas que não falo e não faço, ou não expresso com a veemência merecida. ou até expresso, mas depois vou lá e arruino tudo.


estou achando tudo tão chorável.
e não, não é tpm.
Queridos alunos,
Na segunda-feira, dia 15/10 iniciamos o período 2012-2. Nesta primeira semana teremos a recepção aos calouros e devido a isso, não teremos aulas no Ciclo Básico. As aulas da licenciatura e bacharelados ocorrerão a critério dos professores.

porque isso é tudo o que a pessoa gostaria de ler enquanto arruma a mala pra viajar porque IA TER UM RECESSO CARALHO.

notem que "arruma a mala" é uma forma bonita de dizer que tem roupa até no ventilador de teto e nenhuma delas faz sentido entre si ou com minha pessoa.

a única coisa que foi de fato colocada na mala até o momento foi uma pastinha com artigos. artigos. tipo, roubaram meu recesso e eu ainda tô levando artigos pra ler.

que vida é essa.
cabô 2012.1.
cabô.

o balanço desse semestre adorável cabe inteiro em 01 imagem:
eu também não, aluninha. eu também não. 

faremos agora uma pausa desnecessária na programação porque tudo o que a pessoa NÃO precisa depois de 3 meses de greve é um recesso. embora seja um alívio passar alguns dias longe de gente que pergunta super a sério "por que não posso ensinar evolução dizendo que foi deus que fez assim?". porque você não é a menina pastora, sualinda. porque à meia noite darwin levará tua alma. porque né. tantos motivos. tanta preguiça. e você apenas afunda um pouco mais na cadeira para escrever uns devaneios enquanto outras pessoas saem da rodinha bradando "vocês estão precisando de apoio psicológico!", secretamente frustrada porque se nos convertêssemos todos ao criacionismo eu poderia escrever "deus quis assim" em todas as provas e trabalhos até o fim da graduação e quem sabe conseguiria um diploma finalmente, né.

suspiro.
bom, aí hoje eu passei uma tarde inteira pensando em uma forma digna e sem drama de comunicar que não tinha condições de ficar até o final da reunião porque a alergia havia saído do meu controle e minha única ambição na vida era vir pra casa tomar mais um shot de celestamine.

o que era auto-explicativo, inclusive. ou alguém mexeu na minha histamina ou eu tô aqui fazendo cosplay do benicio del toro.

mas enfim. quando julguei ser o momento oportuno saí lá do meu cantinho para avisar. numa sincronia perfeita, uma pessoa que piriguetou a tarde inteira e prosseguiu depois esbanjando saúde fez uma voz desmaiadinha e disse o. seguinte.:

- estou muito chateada por não poder ficar até o fim... mas eu não vou aguentar, estou sentindo tanta dor! só podem ser pedras nos rins.

e foi embora.


COMASSIM PEDRA NOS RINS MERMÃO.
nega acha que pode chegar assim inflacionando o mercado da mazela, é isso mesmo?

lancei tanta energia negativa nessa pessoa, gente.

mas aí depois lembrei que provavelmente já empatei a vida de muita gente e roubei o holofote da desgraça alheia com meu primo drogado de minas. caaaara, se um dia eu me formar vou dedicar o diploma ao meu primo drogado de minas porque olha, merece. não que ele exista, mas do jeito que a família do meu pai curte botar filho no mundo, sei lá, né. nada impede.
a coisa mais mágica a respeito do meu primo drogado de minas é que eu nunca contei de fato a história dele porque não havia uma. hahahahah, eu sou ótima. funcionava assim: eu perdia os prazo tudo, reaparecia tipo uma semana depois e explicava, muito lacônica, que precisei viajar para minas repentinamente porque minha família estava passando por problemas com meu primo. nesse momento fazia um silêncio constrangido e tudo o que eu sei é que ganhava prazos novos. o constrangimento se devia ao fato de estar esperando alguma pergunta, qualquer pergunta, que iria me desmascarar facilmente, mas nunca perguntaram nada. eu devia fazer uma cara tão ótima que as pessoas pensavam que meu primo de minas tinha leiloado meu cu no mercado livre pra comprar crack.

aí uma pessoa com tamanho potencial é passada pra trás por uma amadora que faz cara de sofrimento alegando pedras nos rins.
não quero mais viver nesse mundo.

momento-desabafo do leitor


reparem que, muito apropriadamente, "só me fodo nessa porra" é o resultado que aparece logo após o nome/endereço do blog em termos de frequência. 

<3

sinto-me muito compreendida.
daí que hoje, depois de sair de casa toda errada e esquecer os artigos, e esquecer os gráficos que precisava terminar de editar, e esquecer um documento que era a única razão para ter saído de casa em primeiro lugar, e perder um tempo monstro para imprimir uma cópia, e largar a pasta com todos os documentos na copiadora e só me dar conta horas depois, tudo isso para ouvir um "olha, não sei não" da moça da secretaria, eu tava vindo embora. porque né. me deixa ir embora, é tudo o que eu peço. e tinha esse moço distribuindo panfletos de sua empresa organizadora de formaturas. bonitos panfletos de pessoas louras e sorridentes de beca. outras 38745 pessoas estavam saindo, mas ele não podia entregar os malditos panfletos para elas. claro que não. tinha que ser pra mim. e veio ele com aquela cara de as fotos da festa ficaram ótimas e eu só abanei a mãozinha assim bem desvalidamente e disse:

- não precisa gastar seu material comigo não, moço.
- que é isso, minha filha! por que não?
- porque eu não vou me formar nunca.
- ...
- sabe nunca, moço? nunca. tipo: não. vai. acontecer.
- ...
- pois é.


e vim embora. hahahahahah.

estou.
oficialmente.
maluca.
Days like this, I don't know what to do with myself
All day, and all night
I wander the halls along the walls and under my breath
I say to myself I need fuel to take flight

And there's too much going on
But it's calm under the waves
In the blue of my oblivion
Under the waves
In the blue of my oblivion


gostaria de estar solicitando uma dose extra de equilíbrio emocional porque infelizmente meu estoque mensal acabou e ainda não conseguimos sair do dia 1º. risos.

~

a parte MENOS deprimente do dia envolveu um barraco entre esta que vos fala e a faxineira dos banheiros da biologia. por causa de uma cabine interditada indevidamente.
digo indevidamente porque as faxineiras fecham as cabines - limpas e em perfeito estado - e deixam apenas uma ou duas em uso para pouparem-se o trabalho de limpar todas.
digo indevidamente (2) porque é a cabine que eu uso e puta que pariu, sabe, não me obrigue a mudar meus hábitos na semana mais fodida da história só porque você tá de preguicinha que minha dignidade foi comprar cigarros e nunca mais voltou e nada impede que eu saia por aí gritando that's my spot! à la sheldon cooper.

- tá bom, eu vou deixar você entrar.
- ah, você vai DEIXAR? JURA? nossa, OBRIGADA, tá?


só queria avisar que estou boua, portanto.
recomenda-se o uso de critério.