- oi tia. eu sou o renan. e todo mundo me acha bobo.

tive um deslumbramento. já pensou se fosse de bom tom que adultos se apresentassem assim? 

eu simplesmente poderia sair pelo mundo falando "oi, eu sou a raquel. eu pareço meio desequilibrada às vezes. provavelmente porque eu sou mesmo." e ninguém poderia encher meus pacovás mais tarde porque olha, eu avisei.

meu sonho.

darwin awards apresenta:

a incrível história da menina que, com um único movimento de cabeça, conseguiu arremessar shampoo nos dois olhos e dentro do ouvido enquanto tomava banho.



gente, sério, e agora que a água não sai do ouvido? como proceder? quando eu era criança e acontecia isso minha mãe TACAVA ÁLCOOL. 
provavelmente um dia ele tomou o caminho errado e foi direto pro cérebro, né?
explicaria muita coisa.
eu preciso de bem poucas coisas, na verdade.

mas finjo para mim mesma que preciso de muitas, porque isso me dá uma desculpa para não focar em nenhuma.

mas então

estou doente de novo.

(ou seria ainda?)

meu sistema imunológico total não está reconhecendo o pacote de anticorpos da educação infantil e tudo o que vem agregado como mãozinha suja beijo melado ranho no cabelo gosmas incompreensíveis na roupa ao fim da manhã aíííí cogitei seriamente ir pra emergência tomar drogas injetáveis e arrumar um atestado.

mas só cogitei, porque sou essa palerma sem conserto e não quis faltar. vai que alguém aparece com um vírus novo e eu não estou lá pra arrecadar, né? que absurdo. eu sou uma pessoa responsável, afinal de contas. e como pessoa responsável agi.

liguei pra farmácia e perguntei ao balconista o que ele me recomendava.

hahahahahahaha. seu edmilson > dr dráuzio, minha gente. ele tudo sabe e tudo palpita e eu nunca morri, de modos que meia hora depois recebi 3 caixinhas de azitromicina em minha residência com um simpático bilhete contendo as instruções de uso.

agora vai, hein.

tipo isso:


aluninhos montando um quebra-cabeças com algum tema ~animais da fazenda~ e eu ali, apenas experimentando aqueles 5 segundos de paz que geralmente precedem algum tumulto bem grande. rola uma movimentação suspeita ao meu lado e vejo que henrique está puxando lucas prum cantinho, todo confabulatório.

- aqui, lucas, deixa eu te mostrar uma coisa. a vaca tem piru!

a. vaca. tem. piru.
e vivam os transgêneros, não é, minha gente? isso é que é escola inclusiva.

e ele continua, muito entendido só que não, apontando para as tetas da vaca.

- olha aqui, cara. um piru!
- é?
- é! um piru, dois piru, três piru.
- nossa...

hahaha, gente, jamais saberei explicar a entonação desse "nossa..." mas foi uma vibe muito "uns com tanto, outros com tão pouco".
quatro piru
nossa, raquel, você anda tão sumida.

então, é porque além de lidar com todas aquelas coisas situadas tão além da minha capacidade emocional eu ainda tomei uma surra do meu aluninho bipolar, fiquei toda roxa, levei com um power ranger de plástico nos peitos e provavelmente serei demitida nas próximas 48 horas, enquanto tomo uma comida de cu da minha orientadora porque faltei à última reunião por motivos de: TAVA TRAUMATIZADA e vim pra casa dormir porque afinal quem é que consegue se concentrar no projeto em meio a tantas aventuras, não é mesmo?


mas ó, não era dengue no fim das contas.

e como todos sabemos, o importante é ter saúde.

:D
(risadinha histérica)